VAI ENTRAR EM CANA E FAZER COMPANHIA AO SEU PATRÃO, LULA. ESSE CANALHA FINALMENTE VAI VOLTAR PRA CADEIA E COMER MERDA, QUE É O QUE ELE MERECE PRO RESTO DA VIDA

O TRF-4 acaba de rejeitar os embargos de declaração apresentados pela defesa de Zé Dirceu como último recurso antes de sua prisão.

No mês passado, a 4a Seção do Tribunal Regional Federal já havia negado os embargos infringentes.

O ex-ministro foi condenado a 30 anos e dez meses de cadeia por corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro no esquema que saqueou a Petrobras.

Os desembargadores TRF-4 de Porto Alegre negaram por unanimidade, na tarde desta quinta-feira, o último recurso em segunda instância do ex-ministro José Dirceu em um dos processos que o número 2 do PT responde na Lava-Jatoe que envolve a empreiteira Engevix. Com isso, o ex-ministro já pode voltar pra cadeia.

Ao negar os embargos de declaração da defesa de Dirceu, a corte determina imediata prisão. O caso do petista agora volta à 13ª Vara Federal de Curitiba, onde atua o juiz Sergio Moro que já havia sentenciado Dirceu a 20 anos e dez meses de prisão em junho de 2016.

O ex-ministro recorreu da decisão de Moro, mas a corte não só manteve a condenação, como também aumentou a pena para 30 anos e 9 meses de prisão por corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

O homem forte de Lula vai pra cadeia.

Gleisi garante que a constituição permite um presidiário como Presidente da República; veja o vídeo

A presidente do PT surta e afirma que “à luz da legislação, Lula pode ser candidato” e, em consequência, ser o próximo presidente da República.

Mas a Lei da Ficha Limpa não permite que Lula seja candidato. E nenhum presidiário pode ser presidente do país. Isso é um tanto óbvio.

Gleisi beira o absurdo da falta de noção.

Assista:

Sergio Moro é aplaudido de pé em Nova York, veja o vídeo:

O juiz federal Sérgio Moro recebeu o prêmio Person of the Year, oferecido há 48 anos pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos em Nova York.

O juiz foi intensamente aplaudido pela plateia, que se levantou para ovacioná-lo.

O prêmio é entregue a grandes personalidades e tem entre seus vencedores grandes nomes como o ex-presidente americano Bill Clinton.

Assista:

Programa de quinta categoria de Fátima Bernardes, ‘Encontro’ reforma casa da família de Ladrão morto pela Mãe-PM

Fátima Bernardes é, sem dúvida alguma, uma das maiores jornalistas e apresentadoras da Televisão brasileira, mas seu programa matinal exibido pela Globo na última quarta-feira causou muita polêmica nas redes sociais.

O programa ‘Encontro com Fátima Bernardes’ de quarta-feira fez com que o apresentadora fosse líder de audiência, mas também lhe rendeu críticas e até mesmo uma “polêmica” nas redes sociais.

Tudo isso porque a apresentadora solidarizou-se, e resolveu ajudar a família do ladrão morto pela PM-MÃE no último sábado (12), na porta de uma escola em Suzano-Sp.

De acordo com o programa Encontro com Fátima Bernardes, a homenagem foi feita para demonstrar que o jovem morto foi apenas uma vítima do sistema, da sociedade, capitalista, preconceituosa, e sem amor e porque era negro sendo assassinado por uma loira rica, e que o jovem não teve chance na vida.

Logo a apresentadora conseguiu uma reforma para a casa da família do jovem morto avaliada em 200,00 mil reais, além de todos os móveis e mobília da casa da família também foram trocada por novos, e ainda 2 anos de cesta básicas no valor de 1,200 reais mês..

“Vocês não precisa chorar, nem pedir desculpas, nem estar arrependido, pois eu entendo o que vocês estão passando, eu também sou mulher e sou mãe, e sei muito bem tudo o que vocês estão passando. recebam nossas homenagens.” disse a apresentadora emocionada a mãe do ladrão morto pela PM.

Muitos condenaram a ideia pregada pelo programa, e o fato de estranhos palpitarem a decisão em ajudar a família do ladrão morto. Os comentários foram os mais diversos.

VANUSA É INTERNADA DE NOVO POR CONTA DE DEPENDÊNCIA QUÍMICA E DEPRESSÃO, DIZ FILHO

Rafael Vanucci postou vídeo no Instagram nesta quinta-feira (17)

Rafael Vanucci, filho da cantora Vanusa, gravou um vídeo na web em que conta que sua mãe foi internada novamente por conta de dependência química e depressão.

“Gente, boa tarde! Eu estou passando aqui para fazer um comunicado.

Venho por meio deste informar a todos os amigos, fãs e imprensa que minha mãe, a cantora Vanusa, está internada sob os cuidados da Clínica Grandhouse, aos cuidados do Dr Sérgio Castillo e sua equipe, para tratar de dependência química e depressão.

Peço aos meus amigos, fãs e toda a imprensa que coloquem o nome da minha mãe em suas orações pois tenho certeza que esta energia de vocês chegará até ela! Muito obrigado”, disse.

ANTONIO FAGUNDES É VÍTIMA DE FAKE NEWS EM VÍDEO QUE ATRIBUI A ELE UMA BRIGA

Uns são dados como mortos, outros como doentes, e há os que têm seus nomes envolvidos em confusão. A mais nova vítima famosa de fake news (notícia falsa) é o ator Antonio Fagundes.

Imagens atribuídas a ele mostram um homem de cabelos brancos, visivelmente embriagado, discutindo com um outro mais jovem num posto de gasolina.

Na manhã desta quinta-feira, 17, vários sites e blogs replicaram a falsa notícia afirmando ser o ator nas cenas de violência. Procurados, Antonio Fagundes e Alexandra Martins, sua mulher, disseram que souberam do vídeo logo nas primeiras horas do dia.

A Assessoria de Imprensa da TV Globo também confirmou ao EXTRA que não trata-se do ator no vídeo.

“Acabamos de descobrir essa confusão! Não foi a primeira e nem será a última fake news envolvendo o Antonio. Dá para ver claramente que não é ele”, ressalta Alexandra.

O casal está tomando as medidas cabíveis com o auxílio da TV Globo, e vai pedir para que o vídeo seja retirado do ar. “Em breve, sairá uma nota oficial sobre o caso”, diz a mulher de Fagundes.

URGENTE: TRF-4 NEGA ÚLTIMO RECURSO E DIRCEU VAI PARA A CADEIA, DE ONDE NUNCA DEVERIA TER SAÍDO!

O TRF-4 acaba de rejeitar os embargos de declaração apresentados pela defesa de Zé Dirceu como último recurso antes de sua prisão.

No mês passado, a 4a Seção do Tribunal Regional Federal já havia negado os embargos infringentes.

O ex-ministro foi condenado a 30 anos e dez meses de cadeia por corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro no esquema que saqueou a Petrobras.

Os desembargadores TRF-4 de Porto Alegre negaram por unanimidade, na tarde desta quinta-feira, o último recurso em segunda instância do ex-ministro José Dirceu em um dos processos que o número 2 do PT responde na Lava-Jatoe que envolve a empreiteira Engevix. Com isso, o ex-ministro já pode voltar pra cadeia.

Ao negar os embargos de declaração da defesa de Dirceu, a corte determina imediata prisão. O caso do petista agora volta à 13ª Vara Federal de Curitiba, onde atua o juiz Sergio Moro que já havia sentenciado Dirceu a 20 anos e dez meses de prisão em junho de 2016.

O ex-ministro recorreu da decisão de Moro, mas a corte não só manteve a condenação, como também aumentou a pena para 30 anos e 9 meses de prisão por corrupção passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro.

O homem forte de Lula vai pra cadeia.

Preso, Lula perde direito a segurança, motorista e assessores. Juiz federal de SP diz que benesses lesam patrimônio público

RIO — Preso, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva perdeu, ao menos provisoriamente, uma série de benefícios a que tem direito como ex-presidente da República. O juiz federal Haroldo Nader, da 6ª Vara Federal de Campinas, concedeu liminar para que a União suspenda imediatamente benesses como segurança, transporte e assessoria para o petista, dada a sua reclusão, sob o argumento de que lesam o erário sem ter finalidade.

A decisão, datada desta quarta-feira, se deu no âmbito de uma ação popular movida pelo coordenador do Movimento Brasil Livre (MBL) Rubens Nunes. Com a liminar, Lula também perde os veículos que tinha à sua disposição por força do decreto 6.381/2008.

Na decisão, o magistrado descreve que o autor da ação não questiona o direito em si, mas a manutenção das benesses em vista de sua prisão. O fundamento do pedido é a condenação em segunda instância do petista e o ínicio do cumprimento de pena de reclusão.

O juiz Haroldo Nader argumentou a “evidência indiscutível” de não haver motivos para manter os serviços, custeados por dinheiro público, a um ex-presidente preso.

“Trata-se, neste ponto, do ato administrativo de manutenção do fornecimento e custeio de serviço de seguranças individuais, veículos com motoristas e assessores a um ex presidente que cumpre pena longa, de doze anos e um mês de reclusão. Mesmo a possibilidade de progressão, além de mera expectativa no momento, ocorreria apenas após mais de dois anos.

Portanto, relevante à questão é a evidência indiscutível da inexistência de motivos, senão desvio de finalidade, da manutenção desses serviços, custeados pelo Erário”, escreveu o magistrado.

Segundo Nader, Lula está sob custódia permanente do Estado, em sala individual, o que pressupõe proteção da Polícia Federal. A segurança federal seria, na visão do juiz, superior à que teria em liberdade, acompanhado por agentes. O magistrado considera “absolutamente descenessária a disponibilidade de dois veículos, com motoristas, a quem tem direito de locomoção restrito ao prédio público” da PF, em Curitiba.

O transporte do petista, neste sentido, é responsabilidade dos policiais federais, diz o juiz.

“Por fim, sem qualquer justificativa razoável a manutenção de assessores gerais a quem está detido, apartado dos afazeres normais, atividade política, profissional e até mesmo social.

Não há utilidade alguma a essa assessoria. Logo, são atos lesivos ao patrimônio público, pois é flagrante a inexistência dos motivos”, ressalta o magistrado Nader.

O DIA QUE NÃO ACABOU: ‘Se não há provas contra Temer, eu me mudo para Marte’, diz Rodrigo Janot

‘Temer achava que era imune a qualquer investigação’, diz Janot, um ano depois da delação de Joesley

Para ex-procurador-geral da República, omissões não contaminam provas contra o presidente Michel Temer

BRASÍLIA – Um ano depois de assinar o mais impactante acordo da Lava-Jato, que resultou em duas denúncias contra o presidente da República, o ex-procurador-geral Rodrigo Janot reafirma a importância das delações dos irmãos Joesley e Wesley Batista e se espanta com a permanência do Michel Temer no cargo. Em entrevista concedida ao GLOBO na terça-feira, o ex-procurador-geral diz que não há nenhum outro país do mundo em que o chefe da nação é réu em dois processos criminais e alvo central dois outros inquéritos. E afirma que o presidente imaginou que jamais seria investigado.

Um ano depois, qual sua avaliação dos resultados do acordo de delação dos executivos da J & F?

Foi um acordo importantíssimo para desvendarmos toda organização criminosa que se apropriou do poder público brasileiro. As informações, provas e a proatividade dos colaboradores foram medidas nas denúncias feitas contra o presidente em exercício Michel Temer e nas investigações que seguiram. Ele responde a duas denúncias e duas investigações criminais, que decorrem dessa colaboração. Acredito que essa foi uma das colaborações premiadas que mais auxiliaram o combate à corrupção no Brasil. O que se passou depois foi um outro fato.

Os colaboradores não souberam se comportar à altura e, agora, estão sofrendo a possibilidade de ter os seus acordos rompidos, o que não prejudica as provas obtidas. Nós tivemos dois acordos de colaboração premiada muito sensíveis. O primeiro da Odebrecht, difícil pela sua extensão, 78 colaboradores. Exigiram do Ministério Público Federal muito aplicação e criatividade. Mas esse da J&F foi o acordo em que nós chegamos à cabeça da organização criminosa, por isso foi muito importante. Atingiu um presidente da República em exercício que, depois de três anos e meio da Lava-jato, continuava praticando atos que queria. Achava que era imune a qualquer investigação do Ministério Público.

E nenhum cidadão é. Chegamos ao virtual futuro presidente da República (senadorAécio Neves), que também continuava praticando atos e se acreditava imune. Esse é o quadro que eu desenho de um ano depois dessa colaboração da J&F.

Mas o presidente Michel Temer permanece presidente e o senador Aécio Neves permanece senador. Isso não dá a impressão que estão passando ao largo das investigações decorrentes do acordo?

A gente precisa entender as duas situações. A situação do presidente Michel Temer, em razão da relevância do cargo que ocupa, para que seja processado criminalmente necessita autorização da Câmara. E a Câmara, fazendo um juízo político, não permitiu o prosseguimento do processo penal, que já existe. Então ele vai responder depois que deixar o seu mandato. Quanto ao senador Aécio Neves, virtual futuro presidente da República, é réu em um processo penal. E réu num processo admitido pelo Supremo Tribunal Federal em razão da colaboração premiada feita pelos executivos da J & F. Então eu acho que mudou muito. Temos um presidente da República que responde a dois processos penais, suspensos por decisão política da Câmara – e sobre isso eu não me pronuncio. E responde a mais duas investigações no STF. Isso não é pouco. Não consigo vislumbrar exemplos em outros países. Isso não é pouco. O Brasil mudou, tem indignação na rua e tem uma atuação profissional na atuação no campo judicial.

Se tem indignação (nas ruas) e atuação profissional (no campo judicial), o que sustenta o presidente no poder?

Essa pergunta tem que ser feita à Câmara dos Deputados que não permitiu o prosseguimento dos dois processos penais contra ele (Temer). Processos inaugurados contra ele com provas, estou falando em provas, não em indícios, que decorreram da colaboração premiada e da atuação proativa desses colaboradores. Malas de dinheiro circulando em São Paulo, “tem que manter isso, viu ?”, isso não é pouco. Isso é muito. Então quem tem que responder a essa pergunta é Câmara que, num juízo político, entendeu que ele não poderia ser processado agora enquanto presidente da República, apesar de ter cometido, ao que tudo indica, crime no exercício da presidência da República depois de quase quatro anos de Lava-Jato em curso. Quanto ao senador (Aécio) é réu, responde a um processo penal.

Qual sua expectativa em relação aos desdobramentos dessas duas frentes de investigação?

Essa investigação não pertence à polícia, ao órgão acusador, à defesa, à ninguém. É uma investigação que está sob os olhos da sociedade brasileira. Mais do que isso: todos os países estão de olho nisso. No Brasil temos uma atuação da imprensa livre. A imprensa é o quarto poder no país. A imprensa atua, mostra, cobra, põe luz nesses fatos todos. Como dizia um juiz da Suprema Corte americana nos anos 1800, o melhor detergente nessas situações chama-se luz. E a imprensa brasileira põe luz nesses fatos todos. Não acredito que teremos regressão nessas investigações.

Antes de deixar a Procuradoria-Geral do ano passado, o sr. pediu a rescisão do acordo de colaboração dos executivos da J & F. Não foi uma medida muito dura? Hoje os advogados dizem que outros delatores também teriam omitido informações e nem por isso tiveram acordos cancelados.

Isso é um assunto muito técnico, que a gente tem que avaliar com muito cuidado em fazer essas comparações. Isso é muito complicado. O que a gente tem de concreto nessa colaboração é que fizemos um acordo. O Ministério Público foi muito criticado por ter dado imunidade a essas pessoas – demos a imunidade e faríamos tudo de novo. Uma das cláusulas do acordo era que não houvesse omissão ou mentira. Os acordos com esses criminosos são feitos a partir de uma relação de confiança. O Estado acusador confia que o criminoso colaborador se redimiu. Está falando sobre a organização criminosa a que pertence, está revelando crimes que a organização praticou, está entregando participantes da organização. No nível que fizeram essa organização, quando omitem ou mentem sobre fatos, o Estado não pode fingir que não deve reagir a esse tipo de atitude. Ou o indivíduo deixa a vida criminosa e passa a ser um colaborador da justiça penal. Ele não pode ter o pé nos dois pontos. Não pode ser colaborador do Estado e continuar com tergiversações de criminosos.

Mas os advogados alegam que eles entregaram aqueles áudios (auto-gravações de conversas com referências a ministros do STF e ao próprio procurador-geral) no último dia, mas dentro do prazo. Portanto, não teria havido omissão.

O que os advogados não dizem é que esse áudio veio dentro de um anexo sobre um senador da República (Ciro Nogueira), que não tinha nada a ver com esse áudio. Esses áudios foram denominados por ele de Piauí. Recebemos quatro áudios envolvendo o senador: Piaui 1, 2, 3 e 4. Piauí 1, 2 e 4 eram áudios de conversas pouco republicanas com esse senador. Piauí 3 era um outro áudio que não tinha nada a ver com esse seguimento. Era um outro fato. E por que fizeram isso ? Por que não disseram,então, que tinha aquele áudio ali que envolvia uma situação que não era aquela do senador. Entendemos o seguinte: como era comum nos acordos espúrios e políticos e empresários colocar jabutis em medidas provisórias, achamos que era um jabuti colocado em um anexo da nossa colaboração. Por isso, por falta de clareza, objetividade, porque não disseram a verdade, porque tentaram enganar o Estado acusador, é que eu propus a rescisão ao acordo de colaboração.

Essa sua decisão acabou dando argumento para a defesa do presidente. Se os delatores tinham mentido ou omitido as acusações seriam inconsistentes. O comportamento não retilíneo dos delatores enfraqueceu a denúncia?

Não. As coisas são diferentes. Como é que pode haver enfraquecimento da denúncia contra o presidente da República se contra ele existem provas ? Se os delatores omitiram fatos sobre outras pessoas não quer dizer que essas provas, estou repetindo provas, apresentadas contra o presidente da República estão contaminadas. A pergunta que se tem que fazer é: existem provas contra o presidente da República em exercício por atos criminosos por ele praticado? A imprensa divulgou áudios, vídeos. Se isso não é suficiente, eu me mudo para Marte.

O ex-procurador Marcelo Miller, que atuou como advogado dos executivos, foi criticado e acusado de cometer crimes nesse episódio. Hoje, no seu entendimento, o ex-procurador cometeu mesmo algum crime?

Na época, com os elementos que tínhamos, eu acreditava que sim, que ele fazia parte dessa organização criminosa, como fazia parte o presidente da República e esses executivos da J&F. Hoje, com o quadro fático que temos – já saí dessas investigações desde setembro – eu acredito que ele tenha cometido atos não éticos, mas estou convencido hoje que crime ele não cometeu.

O sr. foi muito criticado por ter concedido imunidade penal aos irmãos Batista. Se arrepende disso? Tem algo nesse acordo que faria diferente?

Eu não faria nada diferente. Quem tem que pensar em um comportamento diferente são os colaboradores. Eles teriam que ter tratado o órgão acusador com mais respeito. Teriam que ter entregue tudo que tinham realmente. Um acordo de um colaborador da Justiça, que entrega o presidente da República em exercício do cargo cometendo crime, com provas. Houve uma gravação, por decisão espontânea do colaborador, em que o presidente da República é pilhado em uma conversa com esse empresário, que entra na residência oficial sem ser identificado. A placa do carro tinha sido acordada por um deputado, aquele deputado da mala, com a segurança da entrada da residência oficial. Essa pessoa entra na residência oficial do presidente da República. A segurança do presidente é muito ruim ou houve um acordo para que essa pessoa entrasse de maneira desconhecida dentro do palácio. Essa pessoa entra e grava uma conversa às onze da noite, no subterrâneo.

Tem com o presidente uma conversa pouco republicana. Os acertos são feitos e aquele deputado da mala, da corridinha, é indicado como o novo interlocutor desse empresário criminoso com ninguém menos que o presidente da República. E quais são as expressões que o empresário usa? “As vias estão obstruídas. Não podemos mais usar esses instrumentos de comunicação, ou algo do gênero”. A mensagem era essa. E esse deputado recebe uma mala com R$ 500 mil numa ação controlada. O acordo ainda não estava assinado. Eram potenciais colaboradores. Enfim, está aí o presidente da República denunciado duas vezes, com mais duas investigações abertas. O virtual futuro presidente da República com denúncia aceita.

A partir dessas duas outras investigações em curso, que tem como alvo central o presidente, vai haver uma terceira denúncia?

Isso eu não sei, não conheço o conteúdo dessas investigações. O caminho normal é a denúncia virá. A justiça brasileira é republicana. Não estamos aqui mais para proteger oligarquias. O Brasil está mudando para melhor.

Por falar em mudanças, qual sua expectativa em relação às eleições tendo em vista que a Lava-Jato gira em torno de políticos e dinheiro desviado?

A primeira coisa é que esse discurso falso de que as investigações criminalizaram a política. A investigação não criminaliza político. Estou convencido de que a mudança desse cenário corrupto, esse cenário destruído, a partir de uma reforma política profunda. Então a mudança virá pela política. A investigação não criminaliza a política. Ela busca criminosos que se escondem atrás de mandatos políticos.

Mas essas eleições serão diferentes das anteriores? Haverá menos corrupção?

Não sei. Temos decisões importantes. Não haverá possibilidade de financiamento de pessoas jurídicas. A expectativa é de que os custos se reduzam. O custo das eleições no Brasil é muito mais caro que na França, Inglaterra, Alemanha, Itália. Temos outros estudos que mostram que dos 20 maiores doadores das eleições de 2010, 14 delas caíram na Lava-jato. Será uma eleição diferente ? Sim, será uma eleição diferente. Mas se haverá interferências dessas organizações eu não posso dizer. Existe um ditado, “criada a lei, criada a fraude à lei”. Então vamos esperar. Como a reforma política não veio, temos que ver o que vai acontecer.

LUTO: Morre, aos 93 anos, a atriz Eloísa Mafalda. Artista faleceu em casa, em Petrópolis, nesta quarta-feira

RIO — Intérprete de papéis marcantes da dramaturgia brasileira, a atriz Eloísa Mafalda morreu, aos 93 anos, em Petrópolis, na Região Serrana do Rio. Filho da artista Marcos Teixeira confirmou que a mãe faleceu por volta das 20h30m desta quarta-feira, em casa. Segundo Marcos, o enterro de Eloísa ocorrerá em Jundiaí, no interior de São Paulo.

A família ainda não sabe a causa da morte e organiza o sepultamento para quinta ou sexta-feira. Ela deixa dois filhos, dois netos e dois bisnetos.

Eloísa Mafalda trabalhou como costureira e auxiliar de escritório nas Emissores Associadas, na qual teve os primeiros contatos com a arte e a interpretação. Começou sua carreira no rádio. Seu irmão Oliveira Neto a convenceu a fazer um teste.

Ela foi aprovada e começou a fazer radionovelas da Rádio Nacional. em seguida a atriz fez sua estreia na TV Paulista, onde ficou até a emissora acabar e ser vendida para a TV Globo.

Na Globo, Eloísa viveu papéis marcantes em mais de 40 trabalhos, entre novelas, séries e especiais. Caso de Dona Nenê, na primeira versão de “A grande família”, e a inesquecível Dona Pombinha Abelha, de “Roque Santeiro”. A carreira conta ainda com outros personagens que caíram no gosto do público, como Maria Machadão, de “Gabriela”, Dona Mariana, de “Paraíso”, Gioconda Pontes, de “Pedra sobre pedra” e Manuela, de “Mulheres de areia”.

A atriz fez seu primeiro papel no cinema em 1950, no filme “Somos dois”. Já no teatro, a estreia aconteceu em 1965, numa adaptação de “O morro dos ventos uivantes”. Eloísa estava fora do ar desde a novela “O Beijo do Vampiro”, de 2002.

Os convites para voltar foram muitos, mas a artista não pode aceitá-los. Na época da última novela, já não conseguia decorar os textos e decidiu sair de cena diante da perda de memória. Ela vivia com a filha Mirian, em Petrópolis.

Pelas redes sociais, o neto da atriz Marcello Berro fez despedida emocionada para avó, a quem chamou de “meu grande amor”.

“Foi a primeira mulher que me pegou no colo. Sim! Antes de colocarem no colo da minha mãe, ela pegou da mão da obstetra e disse: ‘É meu neto!’ Nosso amor sempre foi explícito. Quando aprendi a escrever, escrevi em todos os livros da casa dela, listas telefônicas, paredes, gavetas: ‘Vó te amo'”, escreveu o neto, em post no Facebook.