Rede Globo está envolvida em esquema de corrupção bilionário da FIFA; diz delator!

Rede Globo será investigada pelo FBI em esquema de corrupção bilionário da FIFA,

Segundo o diário Meio e Mensagem, a emissora colocou no mercado pacotes comerciais que podem render cerca de R$ 2,4 bi em receita

Uma delação premiada no caso que investiga a Fifa na Justiça norte-americana respingou na rede Globo, um dos maiores grupos de comunicação da América Latina. O empresário argentino Alejandro Burzaco, ex-diretor da empresa de eventos esportivos Torneos y Competencias, afirmou na terça feira em depoimento à Justiça dos Estados Unidos que a emissora pagou propinas para conseguir direitos de transmissão de campeonatos de futebol.

As autoridades americanas investigam um esquema de corrupção envolvendo a Fifa e outras federações de futebol, apelidado de Fifa Gate. O dinheiro pago pela Globo teria sido destinado a altos executivos da CBF(Confederação Brasileira de Futebol) e da Confederação Sul-Americana de Futebol, a Conmebol, responsável por campeonatos como a Copa Libertadores da América e a Copa América. A informação foi divulgada em primeira mão pelo site Buzz Feed News. O delator não mencionou quais os valores pagos pela empresa.

Acusada por um dos delatores do escândalo de corrupção da Fifa de pagar US$ 15 milhões em propinas (cerca de R$ 50 milhões) para garantir exclusividade na transmissão das Copas de 2026 e 2030, a Rede Globo deve faturar alto com o futebol em 2018. Muito alto. Cifras que possivelmente atingirão a casa dos bilhões. Segundo informações do diário Meio e Mensagem, a emissora carioca colocou no mercado pacotes comerciais para patrocinadores que podem render cerca de R$ 2,4 bilhões em receita.

New York Times volta a destacar corrupção da Globo.

São dois diferentes produtos oferecidos: um exclusivo à Copa do Mundo e outro que engloba as demais competições futebolísticas televisionadas pela emissora na próxima temporada — Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil, Copa Libertadores da América, Campeonatos Estaduais, Copa Sul-Americana e amistosos da Seleção Brasileira. Ambos têm seis cotas de patrocínio.

As empresas que quiserem relacionar suas marcas com a veiculação da Copa da Rússia deverão desembolsar R$ 180 milhões cada. Já no plano “Futebol 2018”, para os demais torneios, os valores anuais são de R$ 230 milhões. Deste modo, caso todas as cotas sejam comercializadas pelo valor de tabela o grupo de mídia poderá arrecadar mais de R$ 2 bilhões. O montante é muito maior do que os supostos R$ 50 milhões de propina que o delator argentino Alejandro Burzaco indicou que a Rede Globo pagou.

Corrupção e propina no futebol uniram Globo, Marin e Del Nero, diz delator.

Para o especialista em marketing esportivo Fernando Trevisan, diretor-geral da Trevisan Escola de Negócios, grande parte da receita da TV aberta está relacionada ao futebol e por isso os direitos de transmissão são tão caros.

“Eventos esportivos geram enorme audiência e são extremamente valiosos. Ainda mais se tratando de Copa do Mundo. Por isso, a competição no mercado tem se tornado feroz, o que pode, teoricamente, criar um ambiente favorável ao pagamento de propinas, como relatou o delator no Caso Fifa”, explicou Trevisan. “Enquanto nada for comprovado, o Mundial da Rússia continuará sendo um ativo valioso e empresa alguma deixaria de associar sua marca a um evento com este potencial. Pudemos acompanhar isso com a própria CBF.”

De acordo com o delator Alejandro Burzaco, ex-diretor da empresa de marketing Torneos y Competencias, o dinheiro da Globo teria sido enviado por meio do ex-diretor Marcelo Campos Pinto para a T&T, braço na Holanda da empresa de Burzaco em associação com a brasileira Traffic, de J. Hawilla, e posteriormente repassado para uma conta na Suíça de Julio Gronoda, ex-presidente da Associação de Futebol Argentino e ex-vice-presidente da Fifa responsável por cuidar dos direitos de transmissão para a América Latina. O dirigente morreu em 2014.

Em documento obtido pelo R7, Burzaco cita a emissora carioca ao menos 14 vezes em seu depoimento à juíza Pamela Chen, que comanda o caso da Fifa no Tribunal do Brooklyn, em Nova York, Estados Unidos.

Por nota, a Rede Globo negou todas as acusações de Burzaco e afirmou que “não é parte nos processos que correm na Justiça americana”. O executivo argentino está em prisão domiciliar desde 2015, pagou multa de US$ 21 milhões (R$ 69,5 milhões) e aguarda a decisão de sua sentença.

Gilmar sob fogo cruzado: a revelação da mulher fatal. Em apuros: o homem que é o maior obstáculo da Operação Lava Jato.

Uma mulher que pode revelar o lado mais obscuro do homem que tem se colocado como o maior obstáculo da Operação Lava Jato.

Um trabalho minucioso de reportagem da revista Crusoé indica que a JBS usou a sede do Instituto de Gilmar Mendes para tramar a oferta de R$ 200 milhões e se aproximar de juízes.

O caso, que está sendo investigado pela Polícia Federal, fez com que o ministro estrategicamente se afastasse da mulher fatal. A advogada Dalide Corrêa, sua ‘faz tudo’ há mais de 20 anos.

Gilmar e Dalide trabalharam juntos no governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, quando se conheceram. Mais tarde, com Gilmar ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Dalide foi ser sua assessora.

“A Dalide é uma profissional de relações institucionais. Em pouco tempo ela vira a melhor amiga de qualquer um. É uma pessoa que se comunica bem, conhece todo mundo”, costuma dizer o ministro, ao ser indagado sobre a mulher que, com o passar do tempo, se tornaria quase que seu alterego, diz a reportagem.

Assim, quando o ministro assumiu o controle do IDP, confiou a Dalide a missão de tocar o dia-a-dia da instituição e de promover eventos extremamente lucrativos. Para tanto, ela atraia os patrocinadores utilizando a imagem do ministro.

Entre os patrocinadores do IDP, além da própria JBS, destaca-se a Fecomércio, cujo presidente acaba de ser beneficiado com a concessão de um Habeas Corpus pelo ministro.

O que se denota, é um evidente entrelaçamento entre a postura empresarial e atuação de Gilmar como ministro.

A rigor, um ministro do STF jamais poderia ter envolvimento com qualquer outro tipo de atividade.

Dalide, a mulher fatal, providencialmente está afastada do IDP.

Gilmar está literalmente sob fogo cruzado.

Ele não vai resistir.

Modesto Carvalhosa aponta onde e como o STF agiu contra a lei e a democracia (Veja o Vídeo

O Supremo Tribunal Federal feriu gravemente a lei e a democracia, nesta quarta-feira (6).

De acordo com o jurista Modesto Carvalhosa, na democracia o voto é secreto, mas a apuração deve ser pública, tem que ter uma base, o registro dos votos.

Nesse sentido, a apuração ‘secreta’, proporcionada pela urna eletrônica e sujeita a todo tipo de fraude é temerária e contra todos os princípios democráticos.

Um absurdo.

Veja o vídeo:

O flagrante dos ministros do STF debochando do voto impresso, da lei e da democracia (Veja o Vídeo)

Restou comprovado cabalmente que a malfadada urna eletrônica não é confiável.

Mais do que isso, sem o voto impresso, a apuração deixa de ser pública, o que é fundamental no regime verdadeiramente democrático.

Incabível numa eleição democrática uma apuração secreta, onde repentinamente surge o resultado, anunciado por um togado e absolutamente inquestionável.

A fraude é possível e, pior, é incontestável.

Mesmo assim, os senhores supremos fazem piada.

É lamentável.

Veja o vídeo:

Juiz que soltou suspeito de agredir e matar ex fala: ‘Não tenho bola de cristal’

Mulher de 23 anos foi morta a facadas três dias após agressor ser liberado em audiência de custódia. Juiz reconheceu que medida protetiva ‘não se mostrou suficiente’.

Um dia após a morte da operadora de caixa Tauane Morais, de 23 anos – assassinada a facadas por um ex-namorado que se dizia “inconformado com o término” – o juiz Aragonê Nunes Fernandes disse “não ter bola de cristal” para prever ameaças que poderiam se concretizar.

Ele é o autor da decisão que mandou soltar o suspeito, três dias antes do crime. Nesta quinta, após a morte de Tauane, a decisão sobre o novo flagrante voltou à mesa do magistrado.

“Por não termos ‘bola de cristal’, não temos como prever aqueles que realmente concretizarão as ameaças que fazem. Prender a todos, indistintamente, não parece ser o melhor caminho a seguir.”

A afirmação do juiz foi feita nesta quinta-feira (7), durante a segunda audiência de custódia de Vinícius Rodrigues de Sousa. Ele já tinha sido preso no domingo (3) após agredir e tentar enforcar Tauane Morais, com quem tinha dois filhos e um relacionamento há quatro anos.

Mesmo com a prisão em flagrante durante a agressão, Vinícius foi liberado no dia seguinte – apenas com a restrição de não se aproximar da vítima. Apesar disso, nesta quarta (6), ele foi à casa da ex-namorada e a matou. Em seguida, tentou cometer suicídio.

Prisão preventiva
Dessa vez, a decisão de Aragonê Fernandes foi diferente. A prisão em flagrante foi convertida em preventiva – por tempo indeterminado. Após a tentativa de suicídio, Vinicius foi socorrido e internado no Hospital Regional de Taguatinga (HRT), onde permanecia até as 18h desta quinta.

Como justificativa para conceder a liberdade provisória ao suspeito – o que culminou na morte de Tauane –, o magistrado afirmou que “infelizmente, todos os dias recebe um grande número de autuados envolvidos em crimes relacionados à Lei Maria da Penha”.
Para Fernandes, “são comuns delitos de ameaça, de injúria e de lesões corporais”. Após dizer, na primeira audiência, que a medida protetiva era “suficiente” para preservar a integridade física da vítima, o magistrado voltou atrás e reconheceu a ineficiência da medida.

“Ao contrário! Mesmo ciente da impossibilidade de procurar a vítima, ele retornou à residência e retirou a vida dela, tentando ainda suicídio.”

‘Agressivo e ciumento’
Em depoimento à Polícia Civil, ainda no domingo (3), Tauane disse que já tinha sido agredida outras vezes pelo namorado, mas nunca denunciou. Ao G1, o delegado que investiga o caso, Eduardo Galvão, afirmou que o suspeito, que é do Piauí, não tinha passagens pela polícia no DF.

“Ela dizia que ele era muito ciumento, que vinha a agredindo a algum tempo, mas nunca falou nada. Foi aí que decidiu terminar o relacionamento.”

Galvão afirmou que os policiais que atenderam a mulher durante o fim de semana ofereceram proteção na Casa Abrigo, uma instituição do governo do DF, que acolhe mulheres vítimas de violência.

“Ela disse que tinha interesse na medida protetiva, mas não queria ir com os filhos para lá”.