O FRACASSO DO BRASIL: Só existe um Brasileiro que está curtindo a copa adoidado. Da cadeia ele quer ver o Brasil pegando fogo, o importante é não faltar cachaça….

Desesperado com a ausência de Lula na mídia, José Trajano anuncia que o ex-presidente comentará copa em seu programa de TV.
188 Views

O jornalista José Trajano afirmou em sua conta no Facebook que Lula, mesmo preso, comentará a Copa do Mundo em seu programa de TV em rede vinculada sindicato dos metalúrgicos do ABC.

A notícia no entanto, foi recebida como piada, pois Lula está cumprindo sua pena de 12 anos e um mês na carceragem da PF em Curitiba.

Muitos internautas afirmaram que não passa de uma jogada de marketing, onde o próprio jornalista escreverá os textos e os atribuirá ao ex-presidente.

A carreira de José Trajano teve uma grande baixa em 2016, quando foi demitido da ESPN Brasil após fazer comentários ideológicos e autoritários, ato não permitido pela emissora.

BRASIL SEM LEI: Bandidos mandam aviso por WhatsApp e Facebook para vítimas: ‘Vamos voltar’

Criminosos ficaram contrariados porque não conseguiram desbloquear os celulares das vítimas. Crime aconteceu em Guarujá, no litoral paulista.

A loja de serviços de internet foi assaltada em Guarujá, no litoral de São Paulo, na última quinta-feira (14). O G1 teve acesso às imagens das câmeras de monitoramento, que registraram toda a ação, neste sábado (16).

De acordo com uma funcionária, que preferiu não se identificar, os bandidos levaram notebooks que estavam logados às redes sociais e ao WhatsApp das vítimas, e por meio do aplicativo de mensagens e do Facebook, fizeram diversas ameaças, inclusive afirmando que vão voltar.

A loja fica na Rua Marcos Antônio Oggiano, no bairro Morrinhos, e era cedo quando um dos assaltantes invadiu o local. “As meninas estavam trabalhando normalmente, e quando ele entrou, acharam que era mais um cliente. Perguntaram se poderiam ajudar, e foi então que ele anunciou o assalto, com uma arma em mãos”, conta a funcionária.

Como o estabelecimento não trabalha com dinheiro, e os funcionários apenas emitem boletos, fazem a contratação dos serviços e realizam a assistência técnica, após anunciar o assalto, o homem começou a colocar aparelhos eletrônicos dentro de uma mochila.

Em seguida, o assaltante sai da loja e, na porta, segundo testemunhas, um segundo suspeito o aguardava em uma moto. Os dois fugiram.

“Ele levou os notebooks, e as máquinas estavam logadas a todas as redes sociais e ao WhatsApp das meninas. Eles começaram a ameaçar elas por lá, usando as contas delas, dizendo que iam voltar, porque elas não tinham passado a senha para desbloquear os celulares. Falaram com familiares das meninas para tentar descobrir a senha e tudo, mas elas conseguiram avisá-los”, explica.

A funcionária explica que as vítimas, depois de receberem as ameaças, conseguiram bloquear os acessos às redes sociais e aplicativos de mensagens nesses dispositivos, e bloquearam os celulares. As duas funcionárias que aparecem no vídeo estão afastadas, mas devem voltar ao trabalho na segunda-feira (18).

“Elas estão muito abaladas, estão tendo até pesadelos com isso”.

A loja ainda não fez boletim de ocorrência, mas deverá fazer o registro assim que conseguir os documentos dos aparelhos eletrônicos.

Lava jato do Rio ‘ABALA’ Brasília e observa atitude suspeita no STF

Dando partida em Curitiba , a Operação Lava Jato acabou avançando para vários estados brasileiros e também no exterior, Além de Curitiba o Rio de Janeiro se destacou em corrupção e a lava jato carioca assim chamada criou uma complexa frente de investigação que teve forte reação do Judiciário.

Desvios de milhões foram descobertos na construção do Comperj (Complexo Petroquímico da Petrobras), e na reforma do estádio do Maracanã para a Copa de 2014. As duas obras ficaram sob a responsabilidade de empreiteiras que, conforme as investigações, movimentaram milhões em desvios e superfaturamento. Surgiu a Operação Calicute e com ela a prisão do ex-governador do Rio, Sérgio Cabral.

Com tantos casos de corrupção apareceu o juiz Marcelo Bretas que trouxe um rigor inigualável nas investigações e decisões que levaram poderosos para a prisão. Bretas chegou a ser comparado com Sérgio Moro.

Cabral viu seu esquema e organização criminosa ir se definhando. Muitos foram presos, e a maioria ligada ao ex-governador. Uma reação do Judiciário começou a surgir e tentar conter o avanço da Lava Jato no Rio.

Marcelo Bretas mandou vários suspeitos de corrupção para a prisão. Porém, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF) começou uma ofensiva contra as determinações do Juíz Bretas. O ministro começou a reprimir decisões do magistrado e investigadores da lava jato.

Algumas decisões de Mendes acabou se tornando “estranhas” para a força-tarefa. No caso do ex-presidente da Fecomércio do Rio, Orlando Diniz, ele admitiu que não caberia à Corte dar o habeas corpus. Segundo ele, restavam ainda algumas etapas das instâncias inferiores para serem apuradas.

Mesmo assim, Gilmar Mendes avisou que abriria exceção, pois a decisão de Bretas, segundo o ministro, é um verdadeiro “abuso de poder”. Tudo isso aconteceu em 31 de maio.

Quatro dias após Mendes soltar Orlando Diniz, um novo pedido de habeas corpus foi feito pela Defensoria Pública de São Paulo. Um homem de 56 anos havia sido preso pela polícia de Franca em 2017, após roubar R$ 140 de um taxista.

A defensoria pediu ao ministro o habeas corpus desse detento. O motivo era porque ele ficou cego, após sofrer um acidente vascular em decorrência de um tumor no cérebro. Ele também tem HIV, tem paralisia nos membros e precisa da ajuda de colegas para fazer suas necessidades básicas.

Gilmar Mendes surpreendeu em sua decisão e falou que o homem deveria permanecer na cadeia. O argumento utilizado era que haviam etapas nas instâncias inferiores que precisavam ser cumpridas. Ou seja, ele usou um pensamento diferente do que teve em relação ao ex-presidente da Fecomércio.

Delator diz que Senador Renan usava SENHORA de 64 anos para receber milhões em propina

Com o ex-presidente da Câmara na cadeia, o foco da Lava Jato parece finalmente se voltar ao Senado.

E esse 21 de outubro pode ter sido um dos piores dias na já atribulada carreira política de Renan Calheiros.

Porque a casa presidida por ele amanheceu com a prisão de quatro integrantes da polícia legislativa comandada por ele.

E porque, ao final do dia, a Época trouxe detalhes de uma delação que o atinge em cheio.

Felipe Parente é o autor da denúncia. A revista o descreve como “o homem da mala do PMDB“. Ele alega ter tido mais ou menos 15 encontros com Iara Jonas, uma senhora de 64 anos, funcionária do gabinete de Jader Barbalho no Senado. Mas, segundo o delator, ela também recebia propina direcionada a Renan.

A grana saía de três empresas: Queiroz Galvão, UTC e Teekay Norway. Entre 2004 e 2006, os repasses somariam R$ 5,5 milhões – ou R$ 11 milhões em valores atualizados.

Parente é o autor da denúncia. A revista o descreve como “o homem da mala do PMDB“.

Ele alega ter tido mais ou menos 15 encontros com Iara Jonas, uma senhora de 64 anos, funcionária do gabinete de Jader Barbalho no Senado. Mas, segundo o delator, ela também recebia propina direcionada a Renan.

A grana saía de três empresas: Queiroz Galvão, UTC e Teekay Norway. Entre 2004 e 2006, os repasses somariam R$ 5,5 milhões – ou R$ 11 milhões em valores atualizados.

QUAL A CHANCE DE LULA SER SOLTO NO DIA 26? 4 dos 5 ministros já votaram pela liberdade Lula, em HC anterior.

O tempo vai passando e o sentido de esperança de um julgamento isento, ou que respeite minimamente a Constituição, vai diminuindo.

Na mesma medida, a euforia ou, uma espécie de “já ganhou”, vai sendo substituído pelo ceticismo e uma espécie de senso de realidade que nos tira expectativa, substituindo pelo desânimo. Mas, em nenhum momento Lula teve tanta chance de ter um Habeas Corpus (HC) deferido e, por conseguinte, ser solto.

Com perfil mais garantista e composição que pode conferir vitória a Lula, por um placar máximo de até 4 a 1, Fachin, o relator dos processos da Lava Jato, tem preferido enviar qualquer recurso da defesa do ex-presidente para o plenário do STF, onde consegue maioria precária (6 a 5) contra os réus.

Por que Fachin enviou para a segunda turma o pedido de HC anterior e o pedido atual pedido de HC? Mais, por que teria designado o Plenário Virtual no HC anterior e não nesse?

O fato é que o julgamento na esfera virtual protege e evita o desgaste dos ministros que votam contra os interesses da mídia. Por isso, o motivo de real estranheza na atitude do relator, Edson Fachin, já que não tem demonstrado grandes atos de nobreza, ao menos até aqui.

Porém, no primeiro HC, o que foi para o Plenário Virtual, já se encontrava prejudicado, já que pedia a liberdade do ex-presidente Lula até que o TRF-4 julgasse os últimos recursos do processo do Triplex do Guarujá. Ou seja, no anterior, Fachin sabia que seria um pedido indeferido, daí, não importava o destino do HC.

Resultado de imagem para lula gilmar mendes lewandowski fachin

Agora, as coisas mudam um pouco, o Habeas Corpus não está prejudicado e seu efeito teria eficácia imediata, bem como seu argumento que é mais plausível que o anterior.

O HC atual questiona o prejuízo irreversível ao réu, em caso de manutenção da execução da pena de forma antecipada. Seu argumento, em parte, se mistura com o entendimento da prisão em segunda instância e, portanto, tem similaridade com o recurso preventivo que foi enviado ao STF, obtendo os seguintes votos do ministros, na ocasião:

Ministro Edson Fachin- Presidente (Relator e votou NÃO)
Ministro Celso de Mello (votou SIM)
Ministro Gilmar Mendes (votou SIM)
Ministro Ricardo Lewandowski (votou SIM)
Ministro Dias Toffoli (votou SIM)
Caso se mantenha essa tendência, Lula poderá obter o placar de 4 votos a 1 pelo habeas corpus mas, isso não é uma regra e pode variar,

já que o STF vive sob pressão externa da mídia e até das forças armadas. Para Lula, nada é convencional e a corte tem a oportunidade de corrigir um erro histórico.
A votação ocorrerá, a pedido de Edson Fachin (relator), no dia 26 de junho, na Segunda Turma do STF.

FONTE: www.apostagem.com.br

EXTRA: A suja manobra do STF para livrar Lula da cadeia

STF decidiu nesta última quinta-feira (14.jun.2018) que o recurso do ex-presidente Lula será julgado na 2ª Turma da Corte e não mais no plenário virtual.

Segundo o regimento da Corte, quando um caso vai para o plenário virtual é porque o entendimento do relator é de que o tema não exige mais debates.

Em julho de 2016, durante o recesso do Judiciário, o então presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, concedeu liminar para Moro manter os áudios sob sigilo.

Em outubro de 2017, o relator Edson Fachin negou o pedido por entender que o tipo de ação apresentada, uma reclamação, não era adequada para análise de fatos e provas.

Com a proibição da condução coercitiva pelo STF, o depoimento do Lula com base na condução pode ser anulado e por consequência o processo? Lembrando que a lei penal retroage pra beneficiar o réu.

Via: noticiasbrasilonline