Arquivo da categoria: Debate

TVs compradas com dinheiro público foram sorteadas em festinha de fim de ano da PM

Numa festa de fim de ano na PM, os brindes sorteados entre os convidados foram comprados com dinheiro público. Uma investigação da Corregedoria da PM a que o EXTRA teve acesso revela que os R$ 6.540 usados para comprar as seis TVs de 32 polegadas, rifadas no evento, promovido em 2012 pela Diretoria de Finanças (DF), deveriam custear “gêneros de última necessidade” para a corporação.

Agora, com a conclusão do Inquérito Policial Militar (IPM), o comando da PM quer que os policiais agraciados com os televisores devolvam os aparelhos.

A investigação foi aberta em 2015, após um relatório de gestão elaborado pela própria DF apontar o “sumiço” de seis TVs, que haviam sido compradas três anos antes e deixaram de fazer parte do acervo do órgão. Os aparelhos haviam sido comprados, segundo a investigação, “com verba advinda do Banco Central”.

Pouco antes da festa, a autarquia federal solicitou a transferência de R$ 53 mil oriundos de um convênio da PM, responsável pela escolta de valores do Banco Central, com o órgão. O dinheiro seria distribuído entre diversas unidades da PM, como o Batalhão de Choque, o Grupamento Aeromóvel e a própria Diretoria de Finanças — para a qual seriam destinados R$ 6 mil.

No entanto, a verba foi usada para comprar, em 28 de novembro de 2012, seis televisões LED “destinadas à confraternização natalina”, segundo o relatório do IPM.

A Corregedoria não identificou responsáveis pela compra, mas aponta a participação de oficiais lotados na DF à época no caso: “está claro que as irregularidades não ocorreram à revelia dos seus dirigentes ou de maneira aleatória, mas por suas próprias contingências, com prévia idealização”.

Os seis policiais que ganharam as televisões no sorteio já foram identificados. Entre eles, há até praças que já passaram para a reserva.

Por decisão do comandante da PM, coronel Luis Claudio Laviano, publicada no boletim interno da corporação do último dia 5, os agentes deverão devolver os aparelhos com embalagens, manual e termo de garantia.

Se os televisores não forem devolvidos, cada um dos vencedores deverá ressarcir à PM o valor dos aparelhos, comprados por R$ 1.090 cada.

Questionada sobre eventuais punições a responsáveis pela compra e pelo sorteio, a PM respondeu que “após a criação da Controladoria Geral da PM, instituída no ano passado, a ocorrência de irregularidades como a apurada no citado IPM seria praticamente impossível”.

‘Existem gays na PM, e muitos’, diz soldado ameaçado por policiais após beijar rapaz no Metrô de SP

Leandro Prior falou com o G1 após vídeo não autorizado viralizar na internet. ‘95% das ameaças são de PMs’, diz policial militar que, abalado, se afastou da corporação para tratamento médico.

Há quase quatro anos, Leandro Prior teve de responder a um questionário para entrar na Polícia Militar (PM) de São Paulo que perguntava sua opinião a respeito do “homossexualismo”. Disse ter respondido que “não achava nada” até porque também é “homossexual”.

Aprovado, trabalha desde então no 13º Batalhão da PM, na capital paulista. Ele atua na Força Tática por meio do Programa Vizinhança Solidária na Cracolândia, área da região central de São Paulo conhecida pelo tráfico e consumo de drogas ao ar livre.

Nesse período, Prior se lembra de ter sido vítima de preconceito por conta de sua orientação sexual uma única vez diretamente e, nas outras, de forma velada. (veja entrevista no vídeo acima)

“Houve um caso onde apontaram o dedo. Foi dito que ‘com ele eu não trabalho’. Foi direto, curto e grosso. E a pessoa disse: ‘você sabe por que’. […] Os outros casos são velados, mas esse foi o único caso mais direto antes desse caso do vídeo”, conta aoG1 o PM.

“O caso do vídeo” a que se refere o soldado é o que foi feito por celular sem sua autorização. As imagens mostram o policial fardado beijando na boca outro homem, em trajes civis, no Metrô de São Paulo. Nada anormal para uma capital que todo ano tem uma das maiores paradas gays do mundo e desenvolve campanhas contra a discriminação por gênero e orientação sexual.

Mas quem filmou Prior dando um “selinho” em seu amigo não entendeu assim. Naquela ocasião, o policial havia deixado o trabalho, mas aparecia fardado dentro de um vagão da Linha 3-Vermelha do Metrô, o que chamou a atenção do desconhecido que gravou a cena.

Segundo Prior, até a corporação informa que não há regulamento que proíba manifestações de afeto fora do ambiente profissional. “Acredito que não seja proibido pelo artigo 104 da I-24 PM, onde ela permite atos de afeto fora da administração, área de administração militar”, diz o soldado de 27 anos.

O G1 entrou em contato com a Secretaria da Segurança Pública (SSP) para comentar o caso de Prior e aguarda retorno.

Vídeo viralizou

Além de filmar o beijo que Prior deu no rapaz para se despedir, o responsável pela gravação resolveu compartilhar o vídeo, primeiramente num grupo fechado de policiais no aplicativo de celular WhatsApp. Logo depois a filmagem viralizou, mudando a vida de Prior a partir de junho.

“Não faço ideia [de quem gravou o vídeo], mas quero saber”, diz Prior, que não percebeu a gravação e busca a punição de quem a compartilhou. “Se tivesse percebido, eu mesmo teria tirado o celular da pessoa. Estou me sentindo assim… Como é que eu posso te dizer? Ainda um pouco aéreo, um pouco baqueado porque tomou uma repercussão muito grande”.

Da esquerda para a direita: vídeo com beijo de soldado beijando homem no Metrô de SP viralizou e gerou ofensas nas redes sociais, como a do lado, postada por um policial da Rota (Foto: Arquivo/Reprodução/Redes Sociais)

Da esquerda para a direita: vídeo com beijo de soldado beijando homem no Metrô de SP viralizou e gerou ofensas nas redes sociais, como a do lado, postada por um policial da Rota (Foto: Arquivo/Reprodução/Redes Sociais)

Ameaça de morte

A cada compartilhamento nas redes sociais, Prior recebia um xingamento, uma ofensa e até ameaças de morte acompanhando o vídeo.

“Aqui não aceitamos um policial fardado em pleno Metrô beijando um homem na boca. Desgraçado, desonra para minha corporação. Esse tinha que morrer na pedrada! Canalha safado! Se alguém não gostar desse comentário, f* você também!”, é uma mensagem postada na página do Facebook de um policial militar das Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), tropa de elite da PM.

Declarações como essa levaram Prior a acionar a Polícia Civil e a Polícia Militar para tomarem providências criminais e administrativas contra policiais que o estão ameaçando. Os casos são acompanhados pelo advogado de Prior, José Beraldo, membro do Conselho Estadual de Direitos da Pessoa Humana (Condepe), Ariel de Castro, e o ouvidor da Polícia, Benedito Domingos Mariano.

“Eu tenho diversos prints, e 90% a 95% das pessoas que fazem comentário de ódio em todas as redes sociais contra a minha pessoa e a minha vida são vindas de policiais militares”, informa Prior.

Mesmo figurando como vítima de homofobia, o soldado terá de responder a um procedimento administrativo também na corporação. Segundo a PM, a atitude de Prior no Metrô não obedeceu a regras de segurança exigidas pela corporação. Ele teria deixado o coldre da arma aberto. Sua arma foi recolhida.

 Leandro Prior começou a sofrer ofensas e ameaças em redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)

Leandro Prior começou a sofrer ofensas e ameaças em redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)

Tratamento médico

Alegando motivos de saúde, Prior pediu afastamento da PM para se tratar. Chegou a ser internado numa clínica psiquiátrica e vem tomando remédios contra pânico. Teria de voltar ao trabalho nesta quarta-feira (11), mas disse não ter condições de voltar as atividades ainda.

“Pela pressão, porque as pessoas não imaginam a dimensão que tomam os problemas. Era uma coisa pequena, tomou uma proporção muito grande. Você, do nada, começa a receber ameaças de todos os âmbitos. Eu acredito que, psicologicamente, ainda não esteja apto a retornar”, diz ele, que teria conseguido mais um mês de licença médica.

Na entrevista ao G1, Prior contou que teve de responder a um questionário sobre o que achava do “homossexualismo”. Segundo o ativista LGBTI Agripino Magalhães, que após o episódio passou a acompanhar o soldado e dar assessoramento a ele, o nome apropriado seria “homossexualidade”.

O “homossexualismo” alude a um período em que o termo representava o que então era considerado um distúrbio mental pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Em 1990, a OMS retirou o item da sua lista internacional de doenças.

“Recordo-me que disse que eu não achava nada [quando perguntado sobre o que achava do ‘homossexualismo’]. A condição sexual do indivíduo não iria interferir no atendimento de ocorrência da minha parte”, diz Prior. “Completei: não vejo problema algum, afinal também sou [homossexual]”.

Soldado Leandro Prior observa busto em miniatura durante entrevista (Foto: Kleber Tomaz/G1)

Soldado Leandro Prior observa busto em miniatura durante entrevista (Foto: Kleber Tomaz/G1)

Gays na PM

Prior, que em novembro completará quatro anos como policial militar, diz hoje sem medo: “Sim. Existem gays na PM e muitos”.

O soldado relata a existência de oficiais e comandantes homossexuais na PM paulista.

“Existem lésbicas, existem gays, existem trans. Continuam trabalhando e devem permanecer. Não é critério de diminuição dos índices criminais a condição sexual. Como qualquer outro lugar de chefia e direção de qualquer outra empresa ou corporação.”

Segundo ele, porém, a sociedade não tem tanto conhecimento da existência de gays na PM porque eles mesmo se escondem. “Existe um enorme preconceito na Polícia Militar contra gays”, diz Prior sobre outros policiais que usam de preconceito velado dentro da corporação contra homossexuais. “Um bom exemplo são perseguições feitas por outros PMs contra subordinados.”

Prior, que diz ter entrado na PM por “vocação”, se inspirou no pai, também policial militar, mas que cortou relações com o filho pelo fato de ele ser gay.

 Leandro Prior começou a sofrer ofensas e ameaças em redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)

Leandro Prior começou a sofrer ofensas e ameaças em redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)

O governador de São Paulo, Márcio França (PSB) (Foto: Rodolfo Tiengo/G1)

O governador de São Paulo, Márcio França (PSB) (Foto: Rodolfo Tiengo/G1)

O soldado também lamentou o fato de o governador de São Paulo, Márcio França (PSB), ter criticado neste mês a sua atitude de beijar um amigo no Metrô.

“Eu entendo que deu um certo constrangimento [à corporação]. A Polícia Militar tem as suas regras próprias”, chegou a falar França sobre o episódio envolvendo soldado. “Ninguém quer com isso fazer nenhum tipo de punição, mas é preciso ver que a farda, como eu disse, é uma extensão do estado, e a farda tem que ser respeitada. Eu não vejo significado em você usar coldre, farda, e ficar fazendo gestos de amor expresso em público, seja com homem ou com mulher”, completou França.

“Eu acredito que o posicionamento do governador, ele não seja este tão somente. Ele é o chefe máximo da polícia e das polícias. Eu acredito que ele tenha um coração mais humano”, disse Prior sobre a fala de França.

Vítima de homofobia

As únicas certezas que Prior tem são de que foi “vítima de homofobia, sim” e “o preconceito não está na corporação, mas na pessoa”.

“Não compensa se esconder, dê a cara a tapa. Se esconder é pior. Você vai receber ameaças se se esconder, sofrer ameaças se colocar a cara ao sol. Coloque a cara a tapa, dê a cara a tapa, enfrente, lute. Porque, se você não lutar, você já perdeu”.

Existem também PMs que estão apoiando Prior. “Muito apoio dos policiais da minha companhia, do meu batalhão. Agradeço imensamente a todos que manifestam esse apoio nas redes sociais”, diz. “Pretendo e vou continuar na Polícia Militar”.

 Leandro Prior começou a sofrer ofensas e ameaças em redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal) Leandro Prior começou a sofrer ofensas e ameaças em redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)

Leandro Prior começou a sofrer ofensas e ameaças em redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)

 Leandro Prior começou a sofrer ofensas e ameaças em redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)

Leandro Prior começou a sofrer ofensas e ameaças em redes sociais (Foto: Arquivo Pessoal)

A maravilhosa entrevista de Jair Bolsonaro na RedeTV, assista a íntegra os argumentos do futuro Presidente do Brasil

Jair Bolsonaro pede definição de ditadura e diz que, com o ele, o Brasil voltará àquela época, que ele vê como positiva: “Me define o que é ditadura?

A TV Globo nasceu em 1965. Qual órgão de imprensa nasceu em qualquer ditadura do mundo?

Nós tínhamos o direito de ir e vir. Podíamos sair do Brasil e voltar. Este pessoal – em torno de 400, que morreram ou desapareceram – queriam que a ditadura do proletariado que é a mesma que tem em Cuba”, disse ele, e em seguida, acrescentou: “Pode ter certeza. Isso vai voltar: o respeito, a ordem, serei radical com a corrupção, não aceitarei essa ideologia de esquerda aqui dentro, vamos cortar dinheiro de ONG”.

Comentando o caso do jornalista Vladimir Herzog, Bolsonaro afirma que lamenta, mas que não estava lá e “suicídio acontece”.

“O pessoal pratica suicídio. Não tínhamos nada pelo que o Herzog fazia que de você dar pancada nele. Ele era um colaborador. Da minha parte, é passado”.

Sobre ter declarado ser favorável à tortura, o pré-candidato afirmou: “Um tratamento enérgico.

Qual o limite entre energia e tortura?

Temos que parar de dar tratamento humano para quem não é ser humano.

Voltando ao tema do desarmamento, Bolsonaro afirmou que “um povo armado nunca se submeteria a uma ditadura”.

Negócio milionário: Valdemiro Santiago estaria adquirindo prédio de luxo avaliado em R$ 40 milhões. Humilde….

O apóstolo Valdemiro Santiago segue empreendendo e investindo os recursos adquiridos via ofertas alçadas, dízimos e a comercialização de produtos considerados proféticos em sua igreja.

Dessa vez o líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, está prestes a adquirir um prédio que fica localizado no Brás, em São Paulo, onde atualmente funciona a sede da CUT (Central Única do Trabalhador).

O apóstolo ja vinha assediando os donos do prédio há muito tempo, e já comprou vários imóveis no entorno do espaço, que tem instalações modernas, como sistema de refrigeração e cabeamento de rede.

Valdemiro Santiago deve pagar na aquisição, a quantia de R$40 milhões de reais.

A informação é que 50% do valor será pago na assinatura do contrato, ou seja, R$20 milhões.

Os outros R$20 milhões serão pagos em quatro parcelas suaves de R$5 milhões de reais.

Com a compra do prédio da CUT, a Igreja Mundial do Poder de Deus passará a ser a denominação com mais prédios na região do Brás, endereço da grande maioria das igrejas neo-pentecostais mais poderosas do país.

Fonte: O Fuxico Gospel

Vidente Carlinhos acerta derrota do Brasil e anuncia nova tragédia na política. Leia e surpreenda-se!

O vidente Carlinhos ficou conhecido por anunciar grandes tragédias.

O paranormal é um dos mais conhecidos de todo o mundo. Ele ficou conhecido por dizer que o avião com o time da Chapecoense cairia.

Antes da Copa do mundo começar, Carlinhos anunciou que o Brasil não seria hexacampeão.

Paranormal acertou derrota e fala em filho para Neymar

Carlinhos acertou. Isso porque nesta sexta feira, 06 de julho, o Brasil acabou perdendo para a Bélgica de 2 x 1 no campeonato. Carlinhos é um dos principais pananormais do país e acabou prevendo ainda que, após a Copa do mundo, o jogador Neymar ia ser pai de um filho com a atriz Bruna Marquezine.

Carlinhos diz que dupla sertaneja pode sofrer grave acidente

Se a derrota do Brasil na Copa do mundo já era uma tragédia em si, imagina então o que Carlinhos ainda tem a dizer. O paranormal garante que uma das três principais duplas sertanejas do país pode sofrer um acidente grave. Ele ainda cita que as principais duplas são Zezé di Camargo e Luciano, Simone e Simaria, além de Chitãozinho e Xororó.

Eleições 2018

Já para as eleições de 2018, o vidente Carlinhos revela que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e que o deputado federal Jair Bolsonaro não teriam sucesso nas suas empreitadas. Ele garantiu que o vencedor será Álvaro Dias, Senador pelo Podemos.

Veja abaixo o vídeo de Carlinhos revelando quem deve vencer a Copa do mundo e anunciando outras previsões para o ano de 2018:

Ministros do STF são jogados no “lixo” e manifestação viraliza na rede (Veja o Vídeo)

A
perfeita junção de criatividade com indignação aconteceu em Fortaleza, no Ceará.

Um
grupo de manifestantes resolveu dar ao “trio do mal” da Segunda Turma do STF -Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Lewandowski – e mais ao ministro Marco Aurélio, da Primeira Turma, o lugar da
história que eles merecem. A lata do lixo.

“Bonecos”
representando cada um dos magistrados foram
atirados no lixo.

A manifestação foi postada nas redes sociais e tem recebido estrondosa declaração de apoio.

É UM ESCÁRNIO PÚBLICO E HONRA SEJA FEITA…

ELES MERECEM MESMO!

COMPARTILHE, PARTICIPE!

Veja o vídeo:

Banco Americano diz que Bolsonaro pode levar o dólar a R$ 5,50 por não ter capacidade de articulação política para governar

Relatório do Bank of America Merrill Lynch aponta que “agenda hostil” pode derrubar PIB para -1% ano que vem

A disparada do dólar não deve perder fôlego neste semestre, tampouco no ano que vem, de acordo com projeções do Bank Of America Merrill Lynch.

A moeda, que acumulou valorização de 16,98% de janeiro a junho deste ano, pode chegar a 5,50 reais em 2019 se candidatos contrários às reformas implementadas pelo governo forem eleitos em outubro, informa relatório “Brazil – Recovery runs off the road” (“Brasil – Recuperação sai da estrada”), divulgado nesta terça-feira 4 pelo banco. O documento não cita nomes de concorrentes ao pleito.

Na avaliação de André Perfeito, economista-chefe da corretora Spinelli, independentemente do candidato eleito, o dólar pode até ultrapassar 5,50 reais no ano que vem, devido à dificuldade que o futuro presidente terá em implementar novas reformas – caso ele aceite fazê-las.

“Após a greve dos caminhoneiros, qualquer corte que o governo fizer pode gerar grandes manifestações. O desafio em 2019 é fazer mudanças sem perder a governabilidade. Variações no dólar, na Bolsa e nos juros são praticamente inevitáveis”, destaca.

“A pior situação para o mercado é a que projeta Ciro Gomes ou um candidato petista para a Presidência porque ambos não devem continuar com as reformas para corte de gastos do governo.

Bolsonaro também gera instabilidade porque não apresenta capacidade de articulação política”, afirma o professor de finanças públicas Fernando Botelho, economista da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP).

Com um déficit público na ordem de R$ 500 bilhões, o governo deverá fechar a torneira dos gastos no Brasil em 2019, ressalta.

De acordo com o Bank of America Merrill Lynch, uma “agenda hostil ao mercado e altas dúvidas sobre governabilidade” também podem impactar a atividade do País e reduzir a projeção do PIB para 0,8% neste ano e para -1% em 2019. Uma conjuntura positiva, ao contrário, pode fazer o País crescer 1,7% em 2018 e 4% no ano que vem.

O dólar, por sua vez, pode cair para R$ 3,30.

Não à toa, o relatório aponta que 79% dos investidores acreditam que as eleições representam um risco para a economia brasileira este ano.

Mulher de 92 anos mata filho para evitar ser mandada para asilo. Valor da fiança é de 500 mil dólares

Idosa responde à Justiça por assassinato premeditado, agressão e sequestro e pretendia se suicidar;

Uma mulher de 92 anos matou seu filho de 72 anos, nos Estados Unidos, porque ele queria colocá-la em um asilo, segundo a polícia de Fountain Hills, no estado do Arizona. Ela também tentou matar a namorada do filho, que conseguiu fugir, e tinha a intenção de se suicidar logo em seguida.

Anna Mae Blessing está presa sob a acusação de assassinato, agressão e sequestro. De acordo com os relatórios da Justiça, ela decidiu disparar contra o filho, cujo nome não foi revelado, porque ele queria enviá-la para uma casa de cuidados a idosos por alguns dias.

“Você tirou a minha vida, então, estou tirando a sua”, ela teria dito ao ser levada de sua casa, que compartilhava com o filho e a namorada. Blessing contou à polícia que tinha a intenção de se matar. O caso ocorreu na última segunda-feira (2).

A polícia apura se o crime teria sido premeditado por causa da disputa de Blessing com o filho sobre sua internação, explicou o sargento de polícia do Condado de Maricopa, Bryant Vanejas, à emissora local KPHQ.

O filho queria colocá-la em um asilo porque a convivência com a mãe teria se tornado difícil, diz o relatório da polícia. Antes de discutirem pela última vez, ela escondera dois revólveres no bolso. Ao confrontá-lo, sacou uma das armas e atirou. Ele foi encontrado pela polícia com tiros no pescoço e na mandíbula.

Blessing apontou a arma para a namorada do filho, de 57 anos, que conseguiu afastar o revolver jogá-lo para um canto do quarto. A idosa sacou a segunda arma – que havia ganhado de seu marido na década de 70 – e apontou novamente para a mulher, que mais uma vez conseguiu se desvencilhar e fugir rumo à delegacia.

A polícia encontrou a idosa sentada na cadeira de balanço de seu quarto e a levaram sem que ela demonstrasse sinais de arrependimento. Ela está sendo acusada de homicídio premeditado, agressão grave e sequestro. A fiança para responder ao processo em liberdade foi fixada em 500.000 dólares (quase 2 milhões de reais).

(Com EFE)

Homens russos estão perseguindo e espancando mulheres russas que se relacionam com estrangeiros na Copa

em distante da alegria do futebol, o machismo também está dando goleada na Rússia, país-sede da Copa do Mundo de 2018. Depois dos diversos vídeos que circularam na imprensa e redes sociais de mulheres sendo assediadas, surge outro alerta: grupos ultranacionalistas russos que ofendem e ameaçam mulheres que se relacionam com estrangeiros.

Alena Popova, 35, a jurista que ficou conhecida por criar uma petição online para indiciar judicialmente os brasileiros que ofenderam uma mulher russa em vídeo, é quem faz o alerta. Alena tem um longo histórico de defesa dos direitos da mulher no país, ela é co-autora da lei contra a violência doméstica – similar à Lei Maria da Penha no Brasil, ainda em fase de aprovação na Rússia.

Em entrevista exclusiva à Marie Claire, a advogada falou sobre a criação desses grupos no VKontakte – ou só VK – rede social russa semelhante ao Facebook com mais de 140 milhões de usuários.

“Alguns homens russos criaram grupos com o nome ‘Pink Vaginas’, onde se voluntariam para matar e espancar mulheres russas que se relacionarem com homens estrangeiros. Parece loucura, mas eles espalham fotos de mulheres russas que, por exemplo, têm namorados estrangeiros, tentam identificá-las e se organizam para persegui-las”, disse.

Perseguição online

Em uma das comunidades que Marie Claire teve acesso, foram compartilhadas fotos e alguns vídeos de mulheres russas interagindo com estrangeiros de várias nacionalidades. Elas aparecem se divertindo e, em alguns momentos, abraçando-os e beijando-os, num clima natural de confraternização e festa. “Já estou com nojo”, disse um homem em um comentário. “Quando ele for embora, ela vai morrer sozinha”, disse outro.

Uma jovem que postou uma foto abraçada a um turista contou que recebeu ameaças pelo VK logo após a publicação, que logo foi deletada por ela, por temer represálias. “Eles escreveram que iam cortar o meu útero e até anexaram fotos com armas”, disse ela em entrevista à BBC.

Homens postam fotos de mulheres russas com estrangeiros para identificá-las e persegui-las (Foto: Reprodução/VKontakte)

Em um vídeo do ano passado compartilhado na comunidade, o dono de um canal no YouTube chamado “Natural Select” (seleção natural, em tradução livre) realiza uma experiência em que ele próprio e um colega sueco abordam mulheres russas na rua e comparam quem teve mais sucesso em conseguir encontros.

O “placar final”, que ficou em 6 a 2 para o sueco, foi usado por usuários para insultar mais as mulheres russas, afirmando que elas se comportam como “putas à venda”.

“A dignidade das mulheres russas está completamente ausente”

A deputada Tamara Pletneva, líder do Comitê da Família, Mulher e Criança na Duma, Câmara baixa do Parlamento russo, causou polêmica com uma declaração em que dizia que as mulheres russas não deveriam fazer sexo com estrangeiros para evitar que se tornassem mães solteiras.

Ela citou como exemplo os Jogos Olímpicos de Moscou de 1980 e alegou que, na época, muitas russas engravidaram após relações com turistas e, quando eles deixaram o país, elas ficaram sozinhas e “muito tristes”.

Os comentários em cada publicação humilham as mulheres nas fotos e vídeos (Foto: Reprodução/VKontakte)

O assunto também foi pauta da coluna do escritor Platon Besedin no tabloide russo Moskovsky Komsomolets. Intitulado O tempo das putas: mulheres russas envergonham o país e a si mesmas durante o Mundial, o texto causou revolta e acendeu o debate em torno dos direitos das mulheres.

“Nós criamos uma geração de prostitutas, prontas para abrir suas pernas ao menor ruído de um sotaque estrangeiro. Se eles mostrarem notas de dólar, então, é absolutamente perfeito para elas”, diz.

“Mulheres fazendo sexo com quem elas querem, exatamente como os homens. Que horror”, ironizou uma leitora na página do jornal. Alguns homens, por outro lado, saíram em defesa de suas compatriotas: “Deixem-nas se divertirem com os estrangeiros, assim como nós homens podemos nos divertir com as estrangeiras”, disse um rapaz.

Casamento de homem de 41 anos com menina de 11 provoca fúria na web, mas Caetano pegou uma de 13 anos e nada aconteceu…

Qual a diferença para o famoso no Brasil que com 40anos pegou a menina quando tinha 13. Este todos aliviaram….

O casamento, na Malásia, de um homem de 41 anos com menina de 11 está provocando fúria nas redes sociais.

A detonadora da indignação mundial foi uma foto que viralizou, mostrando o marido, que já tem duas mulheres, segurando a mão da menina.

O marido, um afortunado empresário, deu um pomposo dote aos empobrecidos pais da menina, que ficará com eles até completar 16 anos.

“Fiquei desapontado com críticas feitas contra mim nas redes sociais”, defendeu-se ao jornal “The Borneo Post” Che Abdul Karim, que tem seis filhos, com idade entre 5 e 18 anos.

A indignação chegou à representante da Unicef na Malásia, Marianne Clark-Hattingh:

“É chocante e inaceitável.”

O governo da Malásia está investigando o caso. Casamentos no país exigem que a noiva tenha ao menos 18 anos. Adolescentes acima de 16 anos precisam de uma permissão especial do governo para contrair matrimônio.

Em algumas regiões da Malásia, um conselho de sábios islâmicos também pode autorizar que jovens de 16 anos se casem.