‘DILMA 2 – A revanche’, como uma mulher desgraçou o Judiciário e fez história: com um voto confuso, um voto amedrontado pela sua covardia, seu medo

Compartilhe essa notícia nas suas redes sociais, comente no final da postagem!

Um voto confuso, um voto amedrontado, um voto covarde e contra ‘sua excelência o povo’.

Foi o que fez a ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha neste dia 11 de outubro no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF).

Coube-lhe a grata oportunidade de dar o voto decisivo. Ela quedou-se diante de suas próprias convicções. Engasgou, teve vontade de votar a favor do povo, contra a classe política corrupta, faltou-lhe coragem.

A presidente do STF ficou com medo do enfrentamento institucional que teria pela frente, caso votasse favoravelmente ao afastamento de Aécio Neves do mandato senatorial.

Disposta a agradar a todos – não afastando o senador, mas mantendo algumas medidas cautelares – propiciou a mais completa desmoralização do Supremo Tribunal Federal.

O STF agora é um arremedo de tribunal, subserviente ao parlamento.

Uma lástima!

A maioria dos ministros entendeu que o STF pode impor as chamadas medidas cautelares aos parlamentares, mas que a decisão será remetida em até 24 horas para Câmara ou Senado na hipótese de a medida cautelar impossibilitar, direta ou indiretamente, o exercício regular do mandato.

A decisão sobre quais dessas medidas serão submetidas ao Congresso será do próprio STF, caso a caso. Ao receberem uma medida cautelar do STF, deputados ou senadores decidirão, pelo voto da maioria de seus membros, sobre a aplicação da medida.

Algumas das medidas cautelares que o Judiciário pode determinar são

afastamento do mandato;
recolhimento noturno domiciliar;
proibição de o parlamentar ter contato com determinadas pessoas;
impedir que ele deixe o país;
proibição de frequentar determinados lugares.
Mas, se tais medidas impossibilitarem o exercício regular do mandato, serão submetidas à decisão final do Legislativo.

O julgamento

Na sessão desta quarta-feira, o STF examinou ação apresentada em maio do ano passado, quando o tribunal afastou do mandato o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Na ação, os partidos PP, PSC e SD propuseram que medidas do tipo sejam submetidas em até 24 horas ao Congresso para decisão final. Trata-se do mesmo procedimento adotado na prisão de parlamentares, só possível em caso de flagrante em crime inafiançável.

O julgamento durou todo o dia, e à noite chegou a um empate, com 5 ministros defendendo a impossibilidade de aplicação de medidas cautelares ou sua submissão ao Congresso e 5 se posicionando a favor da aplicação das medidas sem necessidade de aval do Legislativo.

A solução foi construída ao final do julgamento, após o voto da presidente da Corte, Cármen Lúcia.

Ela acolheu sugestão do ministro Celso de Mello de submeter ao Congresso todas as decisões do STF sobre parlamentares que impossibilitem – direta ou indiretamente – o regular exercício do mandato.

A decisão tomada pelo plenário do Supremo poderá influenciar o caso do senador Aécio Neves (PSDB-MG). No fim de setembro, a Primeira Turma do STF – composta por 5 dos 11 ministros – determinou o afastamento de Aécio do mandato. A decisão da turma do STF havia provocado reações no Senado, que marcou para o próximo dia 17 uma votação em plenário a fim de analisar a decisão do Supremo.

A suspensão das funções parlamentares é uma das medidas previstas no Código de Processo Penal (CPP) que substituem a prisão preventiva (decretada antes do julgamento sobre a culpa da pessoa e usada, em geral, a fim de evitar que ela use o cargo para atrapalhar investigações em andamento).

No julgamento desta quarta, prevaleceu a tese em favor da “independência entre os poderes” e da “imunidade parlamentar”. Esses princípios da Constituição buscam evitar interferência indevida do Judiciário sobre o Legislativo e proteger deputados e senadores, pela condição de representantes políticos eleitos.


A postagem continua.....

Compartilhe essa notícia nas suas redes sociais, comente no final da postagem!

:) Participe no nosso Facebook!



NO TOPO AGORA!




PT zomba a sociedade, comemora a absolvição de Gleisi e pede Lula Livre (Veja o Vídeo)
Coluna: PoliticaMente



CARA DURA DE PAU: Filho de Cabral propõe projeto de redução de pena que pode beneficiar o próprio pai
Coluna: PoliticaMente



ESPERTO: Empresa demite torcedor que entrou em estádio com bebida no binóculo
Coluna: PoliticaMente



10 motivos para votar em Jair Bolsonaro para presidente em 2018
Coluna: PoliticaMente



MAIS DE 451.207 ASSINATURAS. BOLSONARO QUER O FIM DO IPVA – ASSINE A PETIÇÃO AGORA E COMPARTILHE
Coluna: Coisa Linda



Se Deus Quiser a humanidade segue esse exemplo -> Mãe ‘dopa’ filho que matou mulher e crianças e chama polícia: ‘Aliviada’
Coluna: Policial



Patrocinada pelo mesmo advogado de Gilmar, STF livra Gleisi do xilindró (Veja o Vídeo)
Coluna: PoliticaMente



Cheque de desembargadora que soltou filho traficante, é encontrado com PM preso por contrabando
Coluna: Policial, PoliticaMente



Aliados acham que Temer poderá ser preso assim que deixar o governo
Coluna: PoliticaMente



O MILAGROSO STF: Segunda Turma vota pra absolver Gleisi de corrupção e lavagem de milhões
Coluna: PoliticaMente

Leia mais 5205 postagens